18 setembro 2008

Natural da Terra



Como Conselheiro incomodo o sistema sem o uso de armas
Aborígine... A ação faz a vanguarda
Com formação não há dominação e retrocesso
Assim microfones disparam rimas protesto.
Diferentes a aquele que o próprio idioma nega
Que enxerga heróis naqueles que promovem a paz com guerras
Persegui o talibã pelos afegãos é pacífico
Mortes causadas por patrocínio

Deles próprios. Estados Unidos da América
Se a Amazônia é o pulmão vocês são...
Bem parecidos com parlamentares, terno e gravata
Que reduzem a alegria do povo em uma cesta básica
Contorcem meu caráter, minha imagem é de bandido
Me negam o lazer, mas mesmo assim não fui eu que assassinei o Galdino
Sei que sou teu alvo. Tua munição não me acerta
Minha mente é revestida de aço, sou Lamarca, sou Marighela

Do ódio e da tristeza, seqüestro o embaixador
Sem usar de torturas transformo em alegria e amor
Dou para os pobres o que com suor tirei dos ricos
Sou cangaceiro, sou nordestino, sou Brilhante, sou Jesuíno
Não comemoro hipocrisia, festejos, vai ver
Sou excluído, sou sem terra, sou Pataxó Matalauê
Mais de cinco milhões de almas representa o jovem aqui
A dor dos xavantes, tapuias, caiapós e tupis

Sou senzala, mas se preferir sou a favela
Sou o escravo no açoite sua seqüela
Sou quem cresceu desconformado com as desigualdades
Sou imortal, sou ágil, sou Zumbi dos Palmares.
Canhões de consciência apontados para o governo
Sou João Candido o almirante negro
Pulmão brasileiro, defendo com unhas e dentes
No jardim de Margarida, vive sempre Chico Mendes.

Ribeirinhos, seringueiros, bóia fria, carvoeiro
Sou a coluna que percorre os estados brasileiros
Sou o R puxado, o S chiado, sou a catira, sou o repente
Sou o forró, sou o bumbá, sou tchê oxente
Sou o arroz tropeiro, baião de dois, sarapatel, o açaí
A buchada de bode, o queijo, feijoada, o pequi
Sou a mistura, sou mestiço, sou um só
Sou a criança, sou o adulto, sou o avô, sou a avó

Sou caatinga, sou sertão, sou o cerrado
Sou pantanal, sou planícies, sou planaltos
Sou São Francisco, Amazonas, Parnaíba
Sou as nascentes, as correntes cristalinas
Sou as grutas, vida selvagem, fauna e flora
Sou o cantador que canta a dor com pandeiros e violas
Infelizmente não sinto fome somente no natal
Mas felizmente torno-me primeiro mundo no carnaval

Sou instruído, destemido, revoltado, sou a chama
Sou mais um louco desta terra, sou Pindorama.


Um comentário:

Gil disse...

Tirou onda com as tuas rimas, senti verdade e emoção ao ler.
Parabéns.

Gil