16 julho 2017

Que os pobres cuspam!


Ao tempo que o Brasil chega a marca de 14 milhões de desempregadas e desempregados, fruto, segundo a mídia corporativa de uma crise econômica e política, julgo importante analisar as questões a partir de um olhar próximo a realidade social das e dos mais pobres.

Segundo o IBGE a renda per capita do povo brasileiro em 2015 foi de R$ 1.113, sendo que 23% da população, segundo o jornal Correio Brasiliense vive com menos de um salário mínimo. Por outro lado, a Calculadora da Desigualdade, projeto realizado pela Oxfam Brasil nos mostrou a face cruel da concentração de renda no país.

Estes mesmos 23% da população, se empregados, trabalham minimamente 30/40 horas semanais para recebimento de um salário mínimo, enquanto isso, aproximadamente 4 mil multimilionários lucram valor equivalente à um salário mínimo a cada 12 minutos. Não se ouve isto, não se fala disto, há uma normalidade na exploração.

Segundo Rosseau o Estado legitima a desigualdade social ao tempo que protege a propriedade privada, acredito que afirmou isto olhando para o Brasil. O privilégio da propriedade privada baseia-se na concentração de renda e terra, que só no último mês motivou o assassinato de 11 trabalhadores rurais no Pará.

Mais que a polarização ou 'crise' política, que sim, agrava sintomas da desigualdade social, devemos discutir pontos estruturais, como a tributação brasileira que é extremamente injusta, pois taxa sobretudo os mais pobres.

A lei 9.249 de 1995, criada durante governo FHC, retira a taxação de lucros e dividendos dos mais ricos. O imposto sobre propriedade de terra é a partir do que se declara e não do que realmente é, ou seja, a extensão territorial da terra ocupada. O Instituto de Estudos Socioeconômicos calcula que isto gera uma sonegação de quase 500 bilhões. Pra exemplificar a treta o orçamento anual da saúde é de 198 bilhões.

Realmente a matemática na prática é sádica!

O golpe burguês é mais que político, é maior que impeachment causado por algo que dois dias após derrubar Dilma deixou de ser crime. O golpe na quebrada é mortal. É aqui onde morrem sem atendimento médico, é aqui onde crianças voltam pra casa, pois não há professores, é aqui onde escrevo no momento em que há tiroteio na rua (minhas orações pra que o pior não aconteça). É aqui onde as pessoas são condenadas injustamente por sua cor, por seu CEP, muito antes de Lula, pena que parte da esquerda demorou a enxergar isto. #LiberdadeRafaelBraga

Nossa esperança não está em 2018, por mais importante que seja, não está. Devemos respira-la, devemos partilha-la cotidianamente. A transformação está nas ruas, mas não em esplanadas ou grandes avenidas. Se continuarmos pagando carros de som, fretando ônibus para capitais, balões enfeitando os céus e um calendário de protestos sem virar-se para as casas e as ruas destas casas não haverá avanço.

Então Rap é mais que palco, precisamos aprofundar o que tanto denunciamos, enfrentar as reformas trabalhistas e previdenciárias, afinal essa burguesia já congelou por 20 anos o orçamento que mau chegava as quebradas, imaginem então o que será de nós em duas décadas. Some isto ao trabalho intermitente, terceirização e aposentadoria inatingível que encontrará o desaparecimento de famílias.

Ora, são 4 mil multimilionários, se cada pobre cuspir eles morrem afogados!

Um comentário:

tarcísio disse...

Mano que texto, obrigado por mais uma vez trazer luz e lucidez a quem está anestesiado por tanto retrocesso e ataques a direitos fundamentais aos menos favorecidos esse texto me faz querer continuar lutando mesmo com toda essa conjuntura desfavorável.

Valeu markão