20 janeiro 2008

Jesuíno Brilhante

Dou para os pobres, o que com suor tirei dos ricos. Sou cangaceiro, sou nordestino, sou Brilhante, sou Jesuíno”. Aborígine

Caros leitores, é com muito orgulho que venho através deste texto contido no Zine Informe Militante apresentar-lhes um grande lutador popular, que como de costume é excluído das páginas do livros escolares. Assim como tantos outros, pois não é de interesse da elite – quem comanda a “educação”- que saibamos nossa história, nossa raiz.
Acredito que é a partir disto que temos uma população tão submissa. Enquanto não nos vermos em nossa história, enquanto não identificarmos referências humanas de luta e reivindicação permaneceremos imóveis perante a tanta atrocidade.
Devido a este motivo estarei postando textos narrando a história de revolucionários e revolucionárias intitulada Lutadores populares. E como este verso já disse estaremos conhecendo a vida, história e ação de Jesuíno Brilhante, o verdadeiro Robin Hood.

Jesuíno Brilhante


Jesuíno Alves de Melo Calado, depois chamado Jesuíno Brilhante, foi um cangaceiro gentil, romântico, verdadeiro Robin Hood, muito querido pela população pobre, defensor dos fracos, dos anciões, das mulheres humilhadas e das crianças agredidas.
Nasceu em Tuiuiú no estado do Rio Grande do Norte, em 1844 e morreu lutando em Santo Antônio, Águas do Riacho dos Porcos, Brejo da Cruz, Paraíba, em fins de 1879.
Uma briga entre sua família com a família dos Limões, em Patu, valentões protegidos pelos políticos, tornou-o de um simples agricultor em chefe de bando invencível em 1871.
Esta briga iniciou-se devido ao furto de uma cabra que servia de sustento para as famílias na época. Nascia ai um homem repleto de valores morais integrando um cangaço justiceiro.
Ia sempre disfarçado às cidades maiores, hospedando-se em residências amigas, adquirindo munição e víveres. Durante a “Seca dos dois sete” (1877) furtava alimentos dos comboios oficiais para distribuir aos pobres atingidos pela seca.
Nordestino valente, ambidestro, pontaria infalível. Multiplicou tais qualidades ao tirar bens de grandes coronéis opressores e dividir entre os oprimidos
Nunca exigiu dinheiro ou matou para roubar. Sua popularidade prestigiosa perdura na memória do sertão do Oeste norte-rio-grandense e fronteira paraibana com admiração e louvor inalteráveis.
E hoje temos que ter este espírito de solidariedade e luta em favor do próximo, presentes em nossa caminhada. As armas o próprio Jesuíno mostrou: Gentileza, atenção. Possamos assim enfrentar nossos inimigos com as armas que eles não esperam. Façamos a revolução silenciosa em nossos lares e nossas comunidades. Sejamos brilhantes... Lutadores e transformadores brilhantes...

2 comentários:

Bruno Ribeiro disse...

Meu caro,
entre em contato comigo, por favor. Seu trabalho é importantíssimo, pensamos e atuamos da mesma maneira. Deixe comentário no meu blog, com seu e-mail. Saudações!

watson disse...

poxa adorei seu trabalho ele tem um texto bastante satisfatorio fico orgulhoso de saber que existem pessoas com uma mente brilhante para postar algo de gande importancia para nosso país,estado e cultura.

Abraço
de
Watson